• Jônatas Catunda de Freitas

4 Indicações da tireoidectomia! Veja quando vai precisar operar a tireóide!

A cirurgia da tireóide já foi muito perigosa sendo até proibida no passado, pois quase todos os pacientes morriam. Mas graças a evolução da medicina, agora é uma cirurgia extremamente segura, com baixíssimos índices de complicações. Não é por isso que iremos operar todo mundo! Eu opero apenas os casos em que há benefício claro com a cirurgia!

Antes de começar – é possível viver sem a tireóide?

SIM. É plenamente possível viver bem sem a tireóide, sem nenhuma complicação. O único cuidado é ter que tomar o comprimido do hormônio tireoidiano para o resto da vida – todo dia pela manhã em jejum. Não existe cirurgia para retirar somente o nódulo da tireóide – retira-se metade ou a tireóide toda – tireoidectomia parcial ou total. Além da medicação, é preciso cuidar da alimentação e praticar atividade física regularmente para ter os melhores resultados do tratamento.

Principais indicações

  1. Câncer de tireóide

  2. Suspeita de câncer

  3. Bócio volumoso

  4. Hipertireoidismo

1- Câncer de tireóide

Nos casos em que o nódulo tireoidiano foi puncionado e o resultado da biópsia foi câncer – Bethesda VI, não há muito o que discutir pois a cirurgia é o único tratamento capaz de curar o câncer da tireóide. Outros tratamentos como a iodoterapia são coadjuvantes. Na maioria dos casos, é indicado a tireoidectomia total, mas hoje em dia já se aceita a tireoidectomia parcial para tratamento do câncer inicial, pois essa cirurgia tem menos complicações.

Saiba mais sobre o câncer de tireóide nesse artigo: 5 fatos sobre o câncer de tireóide 2- Suspeita de câncer de tireóide

2 – Suspeita de câncer de tireóide

Em alguns casos, nem o ultrassom nem a punção (PAAF) conseguem nos dar uma segurança se aquele nódulo é benigno ou não. Nesses casos a tireoidectomia é indicada para se ter uma confirmação do diagnóstico. Isso acontece nos casos em que o resultado da punção é Bethesda I, Bethesda III, Bethesda IV ou Bethesda V. Caso a biópsia da cirurgia confirme o câncer, a cirurgia que foi feita já é o tratamento.

Entenda mais sobre os resultados da PAAF nesse artigo.

É possível um nódulo benigno virar maligno? Sim. Pode acontecer a transformação maligna do nódulo, mas isso demora décadas. O que é mais comum é o que chamamos de resultado falso-negativo da punção. Cerca de 1 a 3% das PAAFs com resultado benigno, após a cirurgia descobre-se que era um câncer de tireóide. Ou pode acontecer de a biópsia final encontrar um microcarcinoma papilífero, um câncer ainda em estágio inicial menor do que 1cm. Esses casos descobertos de forma incidental tem um prognóstico melhor pois é possível que eles nunca fossem crescer.

3- Bócio volumoso

Algumas doenças benignas acabam precisando ser operadas devido ao aparecimento de sintomas. No bócio uninodular e no bócio multinodular há nódulos causando o aumento da glândula e trazendo sintomas compressivos como entalo, engasgos, di culdade para engolir ou di culdade para respirar, necessitando de cirurgia mesmo com uma punção benigna – Bethesda II, para tratar os sintomas se estiverem incomodando muito a paciente. Nem sempre esses sintomas são causados pelo nódulo – apenas nódulos maiores do que 3cm ou tireóides com volume maior do que 30ml podem causar esses sintomas! É importante discutir isso na sua próxima consulta pois há outras problemas de saúde, como a doença do re uxo, que também causam os mesmos sintomas e não irão melhorar após a cirurgia!

Em geral, nódulos acima de 3cm acabam sendo operados – se houver tendência de continuar crescendo, se houver sintomas ou se for um nódulo muito suspeito ao ultrassom, pois o resultado da PAAF perde acurácia quanto maior for o nódulo.

Um nódulo volumoso também causa desconforto estético e tem indicação cirúrgica. O bócio pode até ser a causa da paciente ter baixa auto-estima.

A consequência da cirurgia é uma cicatriz no pescoço que, na maioria das minhas pacientes, fica bem discreta e quase indetectável, mas a cicatrização depende muito da pessoa – algumas tem quelóide.

4- Hipertireoidismo

Outra indicação da tireoidectomia é o hipertireoidismo. O tratamento inicial deste distúrbio hormonal é com medicamentos que inibem a função da tireóide. Em seguida pode se tentar a iodoterapia. A cirurgia é indicada apenas quando esses tratamentos não funcionam, quando há bócio tóxico volumoso ou na doença de Plummer – nódulo produtor de hormônio detectado na cintilografia da tireóide.



Sobre o site drtireoide.com

Hoje em dia, com a quantidade de informação disponível na internet  fica difícil encontrar conteúdo de qualidade. E esse é exatamente o meu objetivo, levar  informação de qualidade a quem precisa. As vezes percebo que não consigo passar para o paciente todo o conhecimento sobre a sua doença ou, devido a ansiedade da consulta, o paciente não capta toda a mensagem.  Qualquer dúvida escreva nos comentários. Talvez eu escreva um post ou faça um vídeo sobre o seu problema! Se você quiser  marcar uma consulta comigo, clique aqui.

Criei esse site para ajudar meus pacientes a entender melhor o seu tratamento. Percebi que os médicos em geral não tem tanto conhecimento sobre tireóide como o cirurgião de cabeça e pescoço tem. Não é fácil encontrar conteúdo de qualidade voltado para pacientes na internet, pois o dr google já diz que tudo é câncer. Por isso tenho essa missão de compartilhar o que sei para facilitar sua vida! Obrigado!

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo