• Jônatas Catunda de Freitas

Laringoscopia – você precisa fazer esse exame antes da tireoidectomia!

Quer entender porque a laringoscopia tem relação com a tireoidectomia? Vou te explicar todos os detalhes!

Inervação da laringe

De cada lado da tireóide passam 2 nervos muito importantes para a fala – o nervo laringeo recorrente e o nervo laringeo superior, inervam os músculos das pregas vocais. Esses nervos devem ser visualizados, dissecados e preservados na tireoidectomia. Na imensa maioria dos casos esses nervos são preservados e não haverá qualquer alteração da voz.

O mais importante dos 2 nervos é o laringeo recorrente – inerva todos os músculo da prega vocal, com exceção do músculo cricotireóideo – o único músculo que o nervo laringeo superior inerva. Este músculo é um tensor da prega vocal e serve para emitir sons mais agudos e mais altos. A lesão do nervo laringeo superior é prejudicial em pessoas que trabalham muito com a voz, como cantores.

Tipos de lesão

Para soltar e retirar a tireóide é preciso dissecar e preservar os nervos, porém isso pode deixá-los sem funcionar nos primeiros dias após a cirurgia, o que chamamos de paresia, causando alteração na voz e rouquidão transitória. Quanto maior o nódulo ou bócio, mais manipulado será o nervo, havendo maior chance de paresia de prega vocal transitória.

Na paresia de prega vocal unilateral, a paciente pode car com rouquidão nos primeiros dias. Se a paresia for bilateral, o problema é bem maior. O risco é muito baixo, mas existe a possibilidade dos 2 nervos laringeo recorrentes – um de cada lado, carem sem funcionar logo após a retirada do tubo orotraqueal da anestesia geral. Como as pregas vocais não se movem, a paciente não consegue respirar e pode até morrer sufocada. O cirurgião deve estar a postos para fazer a traqueostomia de urgência. Leia mais sobre isso nesse outro artigo.

Após duas semanas, a maioria dos casos de paresia de prega vocal já se recuperaram. Caso não haja melhora, pode ser que o nervo foi lesado e irá evoluir para a paralisia de prega vocal, que é definitiva. Nesse caso será necessário repetir a laringoscopia. Menos de 1% das tireoidectomias evolui com paralisia unilateral de prega vocal definitiva, e mesmos nesses casos a rouquidão tem tratamento e reabilitação com fonoterapia.

Isso é importante porque alguns pacientes, mesmo com a voz normal, podem ter paralisia unilateral de prega vocal sem saber disso. Estudos mostram índices de 0 a 3,5% de paralisia de prega vocal no pre-operatório de doenças benignas e de 8% no câncer da tireóide. A consequência disso é que essa disfunção

preoperatória do nervo laringeo recorrente se não for diagnosticada aumenta o risco ter uma paralisia bilateral de prega vocal e necessitar de traqueostomia, por isso todos os casos devem fazer a laringoscopia pré-operatória, tanto a tireoidectomia parcial quanto à total.

Como é o exame de laringoscopia?

Atualmente utilizamos 2 tipos de aparelho de laringoscopia, o naso brolaringoscópio e o laringoscópio rígido.

Na nasofibrolaringoscopia a câmera flexível entra pelo nariz, avalia a cavidade nasal, a nasofaringe e então avalia a laringe. A vantagem é que ele incomoda menos, porém a qualidade da imagem é menor pois o aparelho é mais no.

No laringoscópio rígido o aparelho entra pela boca, avalia a orofaringe e a laringe. Não é um exame que dói, mas pode causar vontade de vomitar que varia de paciente para paciente. A maioria não sente nada, alguns não conseguem completar o exame de tanta náusea. É necessário sentar bem ereto, manter a ponta da língua bem para fora da boca presa pela mão do examinador, respirar apenas pela boca e dizer as vogais “É” ou “Í” ou simplesmente respirar. Por mais que incomode, é um exame bem rápido.

Além da tireóide, quem precisa fazer a laringoscopia?

Pacientes que apresentarem os seguintes sintomas com duração maior que duas semanas:

  1. rouquidão

  2. tosse persistente ou tosse com sangue dor de garganta e mau hálito

  3. dificuldade para engolir

  4. dor de ouvido persistente

  5. massa ou tumor na garganta

Sobre o site drtireoide.com

Hoje em dia, com a quantidade de informação disponível na internet fica difícil encontrar conteúdo de qualidade. E esse é exatamente o meu objetivo, levar informação de qualidade a quem precisa. As vezes percebo que não consigo passar para o paciente todo o conhecimento sobre a sua doença ou, devido a ansiedade da consulta, o paciente não capta toda a mensagem. Qualquer dúvida escreva nos comentários. Talvez eu escreva um post ou faça um vídeo sobre o seu problema! Se você quiser marcar uma consulta comigo, clique aqui.

Criei esse site para ajudar meus pacientes a entender melhor o seu tratamento. Percebi que os médicos em geral não tem tanto conhecimento sobre tireóide como o cirurgião de cabeça e pescoço tem. Não é fácil encontrar conteúdo de qualidade voltado para pacientes na internet, pois o dr google já diz que tudo é câncer. Por isso tenho essa missão de compartilhar o que sei para facilitar sua vida! Obrigado!

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo